sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Marketing Digital: estar próximo dos seus clientes

Há 10 anos atrás, significava apenas colocar um banner num website. Alguns banners nem tinham links associados, pois muitas empresas nem sequer tinham uma presença online.

10 anos para a frente e o marketing digital significa uma quantidade enorme de actividades: Blogs, redes sociais, newsletters, SEO, etc.

Por isso mesmo, como é que uma empresa que pretende iniciar as suas actividades de marketing digital, deve começar?

O Objectivo

Em primeiro lugar, assim como em qualquer plano de marketing, tenha os seus objectivos bem definidos. Nunca iria iniciar um negócio bem sucedido sem um plano bem feito, e um plano de marketing digital não deverá ser diferente.

Os objectivos poderão ser o aumento das vendas, gerar prospectos para a sua equipa de vendas seguir e converter em vendas, poderão ser o construir de uma reputação e imagem junto dos clientes e potenciais clientes, pode ser retenção de actuais clientes, ganhar informação sobre o comportamento dos consumidores, etc. Pode ser um destes objectivos como pode ser todos estes objectivos juntos.

Seja claro naquilo que exactamente pretende atingir. Se é uma marca desconhecida, então criar relações é imprescíndivel. A longo prazo, deverá criar uma relação, fazer uma venda e manter esta relação. Com uma comunicação eficaz através de email, sms, newsletters, etc, isto é fácil de se atingir no mundo digital, e com menos custos que nos meios tradicionais.

Olhe com os olhos dos seus clientes

Assim que os objectivos estejam claros na sua mente, definir onde e como irá ser a sua presença online será o passo a seguir.

Olhe para a situação através dos olhos de um potencial seu cliente. Se está a construir uma relação com potenciais clientes, pense em como comunica com eles e quando. Será via SMS ou email? Não há algo pior do que receber um email todos os dias sobre um assunto que não nos interessa ou receber uma SMS não solicitada. Informar com a informação certa os consumidores certos, na altura certa, facilita-lhes a vida de alguma forma e fá-los interessados nos seus productos/serviços.

Se não sabe onde encontrar os seus clientes online, talvez deva começar por descobrir isso mesmo. Tendo em conta o seu tipo de clientes, área geográfica, idade, estilo de vida, etc, como se movimentam online? Usam o Facebook ou o seu negócio estará mais virado para o Linkedin? Ou talvez um vídeo no YouTube explicando o uso do seu produto teria um efeito viral?

Costumo dar exemplos muitas vezes do mundo offline pois o príncipio é exactamente o mesmo: se sabe que os seus clientes vão comprar o seu produto ao supermercado X, porque irá vendê-lo no Y? O mundo online funciona exactamente da mesma forma. Não precisa de estar em todo o lado, todo o tempo, precisa sim de estar nos sítios certos. Conheça o comportamento dos seus clientes e potenciais clientes online antes de definir onde e como no mundo virtual os vai abordar.

As empresas mais bem-sucedidas no marketing digital são as que conhecem exactamente os comportamentos online dos seus consumidores. Que websites visitam? Tem blogs sobre o tipo de produto/serviços que vende? Grupos no Facebook?

Investir o seu orçamento e tempo online

Sabe os seus objectivos, e qual irá ser a sua presença online, assim como o seu target market. Então, como colocar em prática?

Prepare-se para investir uma grande parte do seu orçamento am actividades de marketing online, principalmente se é uma marca desconhecida e sem uma grande presença nos motores de busca. Inicialmente pode ser necessário mesmo um grande investimento, mas vai sempre depender do que quer atingir e até onde quererá ir.

Quer ter uma visualização rápida no Google? Então invista em AdWords. Quer ter o seu website nos motores de busca? Então invista em SEO. Quer atrair potenciais clientes, criar relações e uma reputação online? Então vá ter com os potenciais clientes às redes sociais. Qualquer uma destas actividades (e outras mais) têm custos específicos, principalmente se for uma agência digital a fazê-lo. E tenha em consideração que as actividades de marketing digital não são um projecto que começa hoje e acaba amanhã. Apesar de se poderem fazer campanhas específicas com um prazo determinado, as actividades de marketing online são um processo contínuo. Não pense que basta fazer um projecto de SEO, o seu website aparecer na primeira página do Google para as suas keywords e poder ir descansar. É preciso manter as actividades de SEO para manter o ranking, assim como todas as outras actividades precisam de ser mantidas. Passe uma semana por exemplo sem colocar nada na sua página do Facebook e verá o tráfego baixar.

Os benefícios do Marketing Digital


Os benefícios do marketing digital a longo prazo são mais que muitos, e um dos maiores (se não o maior) é estar perto dos seus clientes. No marketing digital tem a oportunidade de criar relações com os clientes, de iniciar uma conversa com os mesmos, de ir a forums da sua indústria e ver o que dizem de si (ou dos seus concorrentes). Irá ajudá-lo não só a aumentar as vendas, reter clientes e obter uma reputação, como também a optimizar as suas campanhas de marketing offline.

Nunca se esteve tão próximo dos clientes como agora. E acredite, se não investir no marketing digital, o seu concorrente irá fazê-lo.

Autor: Carla Silva

Intermarché apresenta nova estratégia de marca

O Intermarché lançou ontem uma nova linha de comunicação com a assinatura “Mais do que barato, Útil”, desenvolvida pela agência BBZ.

No âmbito do novo posicionamento estratégico de marca, a insígnia do Grupo Os Mosqueteiros aposta numa campanha multi-meios com filmes publicitários, spots de rádio, anúncios de imprensa, multibanco e internet, juntamente com um micro-site (www.utile.com.pt) e divulgação nas lojas.

Segundo referido em comunicado, a nova comunicação Intermarché assume-se como uma “promessa dos preços mais baixos do mercado, nos produtos mais úteis para o cliente”.


Fonte: Ipsis

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Mais de 11 mil portugueses rejeitam publicidade no telemóvel



Mais de 11 mil portugueses já se inscreveram na lista da Direcção-geral do Consumidor que rejeita a recepção de mensagens publicitárias através do telemóvel, segundo dados da Secretaria de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor.

A lista, criada em Março de 2008, começou a funcionar em Maio do mesmo ano, tendo acolhido desde então, e até à passada sexta-feira, 11.277 subscrições, disse à Lusa fonte da secretaria de Estado.

A Internet e os serviços de mensagens curtas e mensagens multimédia tornaram-se veículos publicitários atractivos, permitindo aos anunciantes chegar a um grande número de consumidores a custo reduzido.

in: hipersuper.pt

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

5 Top Email Marketing Tactics for 2010

1. Integrating Email With Social Media.
This email marketing tactic – which picked up steam throughout 2009 as a way to boost customer reach – is likely to spread like wildfire throughout 2010. Consider the results of an early 2009 study by Exact Target, Ball State University and the Email Marketer’s club: 46% of marketers planned to incorporate the two marketing strategies in ‘09, compared to 13% in ‘08—a whopping 253% increase.

Both BtoB and Consumer Marketers are moving beyond simply including links to social profiles, such as Twitter, Facebook and LinkedIn, in email messages. Some additional tactical ideas for integrating the two strategies include:

Using a blog to highlight content from an e-newsletter once or twice a month, and inviting readers to download the full content via a landing page
Conducting a timely poll on Twitter, and creating a visual representation of the results, in an e-newsletter
Leveraging social media channels to offer email subscribers customized options (i.e., receiving a combination of a monthly newsletter, a Twitter feed with promotions and an RSS feed with daily news instead of receiving a generic bi-weekly e-newsletter).

2. Focusing on Engaging Subscribers.
In a December article from Direct magazine, writer Ken Magill reports that ISPs are now looking into using engagement as a factor to determine if emails get to inboxes. That would mean if subscribers aren’t interacting with email messages, the ISP may stop delivering the messages.

Of course, it’s not yet determined what exactly will constitute an “engaged” email subscriber. But potential measures of engagement we would recommend focusing on improving include:

Open Rates: Try increasing open rates by personalizing subject lines and including clear information in the “from” line indicating who is sending the email.

Click Rates: To improve CTR, analyze if the design of the email is guiding subscribers to the CTA. Web heat maps, for example, can be used to distinguish areas of a Web page most frequently scanned by visitors. Also, give subscribers a reason to click, whether for additional content, a product coupon or a complimentary gift.

Number of Forwards: To increase the number of subscribers forwarding an email, make it as easy as possible to do so. Include the ability to forward the message via email, as well as the option to share on social networks.

3. Re-engaging Inactive Subscribers.
Building an email subscriber is one thing; building an active email subscriber base is another. Virtually every email marketing list contains a group of inactive subscribers, those who aren’t opening emails but haven’t yet unsubscribed.

To re-engage these sleepy subscribers, consider these email marketing tactics:

Offer the inactive group a complimentary white paper or free trial of a product
Create a sense of urgency with notifications that their subscription will end soon
Segment the inactive subscribers and cut back on the frequency of email communications
Send a series of opt-in engagement messages to the inactive group reminding them of the value of the emails.

4. Creating Viral Campaigns.
Viral marketing isn’t a new concept. But today, with sites like Twitter, Digg, Flickr and Facebook, email messages have the potential to be shared like never before. Try out these email marketing tactics in 2010 to help extend your message to a maximum number of customers:

Tailor forward links to specific campaigns: In lieu of the typical “forward to a friend” link, customize the link for the individual campaign, content and audience. For instance, if an email message provides tips to help small business owners build credit, create a forward link with the text: “Forward these tips for building credit to a colleague.”

Don’t restrict access to content: In order for a message to spread to a maximum number of prospective customers, make content free and accessible to anyone. Plus, make all login processes as quick and painless as possible.

Experiment with placement of forward links: Avoid subscribers developing a “blindness” to forward links because the links are placed in the same location for every campaign. Instead, try varying placement, size and color of links.

5. A/B Testing and Optimizing Landing Pages.
Thanks to quickly advancing marketing automation technology, email marketers can more easily perfect landing pages to create a relevant experience and maximize conversions. Many email marketing tools now offer built-in A/B page-testing capabilities, enabling marketers to test multiple page variations and measure the performance of each.

In a recent post on Email Marketing Strategy Blog from Silverpop, CEO Bill Nussey suggests that advanced A/B testing and optimization can easily yield a 5% to 10% lift in conversion rates. Plus, because email solutions are automating what used to be a manual process, marketers can spend more time interpreting numbers and focusing on the creative.

There’s no better time than the New Year to set resolutions and make improvements. As we head into 2010, take some time to assess your email marketing tactics. Could any of these 5 ideas be incorporated into your marketing mix to improve results?

Credits: toprankblog.com