sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Os novos desafios do marketing.

Os novos desafios do marketing. O futuro das marcas. Da razão à emoção do cliente.

O IPAM (Instituto Português de Administração e Marketing) de Aveiro viveu, ontem, um dos grandes momentos dos seus 26 anos de existência, com a conferência de Philip Kotler, o “guru” mundial do marketing, cuja lotação estava esgotada há semanas.

Perante uma assistência composta por cerca de 700 profissionais do sector e, sobretudo, estudantes do Ensino Superior, Kotler começou precisamente a sua intervenção por sublinhar a presença da juventude no evento. “É bom ver o futuro nesta plateia; jovens a quem já tirei tantas horas de sono”, brincava.

Os novos desafios do marketing foi o tema de fundo desta conferência, em que o especialista aproveitou, sempre num registo animado, para dar o segredo de como se tornar bem sucedido: “Levantar cedo, trabalhar o dia todo e encontrar petróleo”.

Kotler, para quem o marketing serve para “separar as pessoas do seu dinheiro”, fez uma abordagem macro do que se está a passar no mundo. Na sua óptica, “70 por cento das empresas fazem algum dinheiro, mas não estão na sua melhor performance”, referindo-se ao seu desconhecimento no que toca ao uso desta útil ferramenta empresarial. “Têm menos dinheiro canalizado para esta área e, além disso, muitas vezes, não sabem para que serve”, afirma, sustentando que “não conseguem perceber como é que milhões de euros gastos numa campanha publicitária reverterão em lucro”. 

“É preciso ir mais ao fundo da consciência do consumidor”
De acordo com o académico, todas as empresas deveriam ter, não um, mas dois departamentos dedicados ao marketing. Isto porque, como explica, “como está tão preocupada em vender o produto, esquece-se de como é que o consumidor o quererá no futuro”.

Acérrimo defensor do conceito de consumidor não racional, mas emocional, Kotler justifica: “Porque é que toda a gente quer comprar um computador IBM, que é mais caro e não é melhor do que outros?; Ou porque é que querem ter um Mercedes? Claro que vão responder: ‘Porque é mais seguro’, mas, na realidade, sabemos que querem, de facto, impressionar”. Por isso, o especialista defende a necessidade de “ir mais ao fundo da consciência” do consumidor, na medida em que não é verdadeiro nos motivos que apresenta para justificar a escolha de um produto em detrimento de outro.

Há mais de meio século que Philip Kotler vem liderando o pensamento de marketing, um pouco por todo o mundo. Já vendeu mais de cinco milhões de livros, em mais de 60 países. 

in: diário de aveiro

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Ser um ouvinte activo traz grandes benefícios

Uma boa capacidade de escuta activa proporciona vários benefícios, incluindo mais conhecimento, sucesso no trabalho, melhores relações pessoais e auto-protecção.


1 - Escutar demonstra aceitação
O próprio acto de escutar outra pessoa demonstra que lhe dá valor e que se preocupa com o que está a dizer. Se mostrar não se preocupar com os outros, irão deixar de lhe falar. Pode até ser bom a curto termo, mas será um desastre a logo-prazo.

2 - Escutar estimula as capacidades de resolver dificuldades
É pedido muitas vezes aos líderes, pais e gestores o que os motoristas de táxi, empregados de bar e psicólogos fazem há anos: dar a alguém o tempo (e a atenção) para falar exaustivamente sobre uma dificuldade. Em vez de darem de imediato conselhos e soluções, a maioria dos gestores bem sucedidos encorajam os colaboradores a chegarem às soluções por si próprios. Através da escuta cuidadosa e reflexiva, você pode ajudar alguém a encontrar uma solução que terá maiores garantias de sucesso e um nível mais elevado de aceitação do que se tivesse limitado a fornecer a resposta.

3 - Escutar aumenta a receptividade do orador aos pensamentos e ideias dos outros
As melhores ideias nem sempre são suas ou dos seus colegas e colaboradores mais próximos. Muitas vezes, encontrará grandes ideias onde menos espera. Podem vir dos seus clientes, dos seus colaboradores, dos seus fornecedores ou parceiros de negócio, ou (surpreendentemente) de pessoas que não fazem negócios consigo. Poderá ficar genuinamente surpreendido com o que os clientes da concorrência dizem a seu respeito se dedicar tempo aos escutar.

4 - Escutar aumenta a auto-estima da outra pessoa
Você não é responsável pela auto-estima de todos, mas pense no assunto por uns instantes. Não é mais fácil vir trabalhar, concentrado nas tarefas que tem de fazer e competir com sucesso se se sentir bem consigo próprio? Os directores de vendas sabem há anos que a auto-estima é essencial para um comercial ser bem sucedido. Ouvem "não" com tanta frequência dos potenciais clientes que poderão ter tendência a aceitar que o insucesso é uma parte integrante e inevitável do trabalho. Qualquer pessoa que tenha educado os filhos irá dizer-lhe a mesma coisa. Ter um amigo que escuta sem julgar e sem criticar pode ser uma grande ajuda.

5 - Escutar ajuda a prevenir choques emocionais
Se se concentrar nas suas necessidades até ao ponto de não pensar nas necessidades e interesse dos outros, irá verificar que lhe retribuem da mesma forma: irão concentrar-se nos interesses deles e negligenciar os seus. A chave para a prevenção de descarrilamentos emocionais destrutivos para qualquer organização é colocar as necessidades dos outros à frente das suas. Escute essas preocupações e interesses em primeiro lugar e será provável que consiga aquilo que pretende deles mais cedo e com menos dificuldade.

Ao aceitar responsabilidade por uma comunicação de sucesso através da escuta activa e reflexiva, pode tornar-se melhor sucedido nas actividades que dependem de uma boa comunicação, tanto na sua vida pessoal como profissional. Ser um melhor ouvinte irá o ajudar a ser um melhor apresentador por ter despendido tempo a tentar perceber o que se estará a passar a cabeça dos que o vão ouvir. Uma boa capacidade de escuta irá o ajudar a aprender mais, a melhorar o seu relacionamento com os outros e a aumentar as suas hipóteses de sucesso. A escuta cuidadosa não é uma garantia, obviamente, mas é um excelente ponto de partida.

fonte: segredo das apresentações de sucesso

Siga-me no Twitter

http://twitter.com/PauloCoitoGomes

Prometo que os acompanharei também a todos.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Netsonda avalia marcas no Facebook

A Netsonda está a preparar a segunda parte do Face to Facebook, uma análise que pretende dar a conhecer a relação dos utilizadores desta rede social com as marcas. Além da informação base, a empresa de estudos de mercado vai permitir às próprias marcas fazerem inquéritos a partir das suas páginas, através da integração do módulo "What Likers Like".

Desta forma, as empresas poderão conhecer melhor quem são os seus seguidores, inquiri-los sobre hábitos de utilização de Internet e, ao mesmo tempo, recolher opiniões acerca dos conteúdos da página e medir o impacto da página no seu comportamento como consumidores e relação com a marca, assegura a Netsonda.

O módulo What Likers Like permitirá também realizar uma análise de benchmark, de acordo com o sector da marca em questão, incluindo ainda um módulo com recomendações, baseadas nos resultados obtidos por cada marca sobre a sua presença no Facebook, acrescenta a empresa de estudos de mercado.

Questões como "O que procura nas páginas de marcas", "Motivações para seguir páginas de marcas", "Que tipo de marcas segue (por sector)", "Tipo e regularidade de participação nessas páginas" ou "Como se tornou fã" são algumas das muitas questões que o estudo visa responder, servindo de suporte a qualquer marca ou empresa que tenha ou esteja a planear ter uma página no Facebook como parte da sua estratégia.

Os próximos dados do estudo Face to Facebook serão disponibilizados no início do próximo mês de Dezembro, "a tempo de suportar as estratégias finais para o Natal e, acima de tudo, o planeamento para 2011".

Os primeiros resultados foram divulgados em Junho de 2010 e referiam, por exemplo, que 63 por cento dos inquiridos gasta uma hora por dia no Facebook, a maioria utiliza a aquela rede social como fonte de informação; e 90 por cento dos que "gostam" de páginas de marcas no Facebook consideram-nas credíveis. 


domingo, 14 de novembro de 2010

As 10 regras de ouro do porta-voz - Gerir empresas em tempos de crise

1 - Estar sempre disponível para os órgãos de comunicação social. Não falar não impede a notícia e dá sempre uma imagem de que não se controla a situação e se tem medo.

2 - Averiguar os dados de que o jornalista dispõe e a informação de que necessita, de modo a poder preparar melhor a intervenção.

3 - Transmitir a mensagem da empresa no início da entrevista, independentemente da pergunta, utilizando a fórmula "Antes de mais, gostaria de esclarecer..."

4 - Recordar e reforçar os pontos fortes da empresa, entre os quais a qualidade, o compromisso com a saúde pública, a garantia de segurança ou outros, adaptados à empresa e ao mercado em que opera.

5 - Ser claro e coerente, ou seja, dar respostas breves e fazer afirmações contundentes. Não abusar de tecnicismos e de valores. Recorrer a exemplos.

6 - Não entrar em temas delicados ou conflituosos. Neste tipo de perguntas, deve repetir a mensagem-chave. Nunca deve dar opiniões pessoais nem responder com um "sem comentários".

7 - Reconhecer que não dispõe de dados suficientes e comprometer-se a esclarecimentos posteriores, usando fórmulas como: "Neste momento, não possuo dados suficientes para o esclarecer. Mas quando estiverem disponíveis serão fornecidos.

8 - Não interromper as perguntas e evitar respostas de sim ou não. Deve tentar dar explicações completas e aproveitar para repetir a mensagem-chave.

9 - Não repetir a pergunta do jornalista, principalmente se ela incidir sobre uma questão negativa. Esta atitude pode ser interpretada como aceitação da acusação incluída na pergunta.

10 - Nunca mentir ou inventar quando não tem dados. Perante perguntas delicadas, se não tiver resposta, deve repetir a mensagem-chave.

Conclusão:
O contacto com os órgãos de comunicação social requer preparação e formação. Em situações de crise, em que as necessidades de comunicação aumentam, antes de falar com os órgãos de comunicação social o porta-voz deverá fazer a sua preparação.

O porta-voz é a imagem da empresa e, como tal, terá de ter alguns cuidados especiais que devem ser trabalhados e treinados. O porta-voz tem de ter características especiais mas, fundamentalmente, tem de adoptar posturas sérias e serenas, para que transmita segurança e credibilidade.
Para aparecer em público, deverá usar vestuário sóbrio e liso, deve dirigir o olhar para o entrevistador ou a assistência e EVITAR GESTICULAR.


in: gestao de crise

sábado, 13 de novembro de 2010

Os segredos de uma apresentação de sucesso - Conclusão

6 - Explique os pontos importantes - deve apenas cobrir alguns pontos, porque nunca irá conseguir explicar e corroborar todos. A afirmação anterior apoia-se num padrão de três pontos para sustentação do seu argumento e é relativamente simples de ser acompanhada pela audiência. Todos os seus dados devem estar relacionados e sustentar a razão principal da sua apresentação.

7 - Reúna material de apoio - em complemento aos pontos principais, pode precisar de provas convincentes. Pense nos tipos de prova que os elementos da audiência irão achar mais convincentes. Precisa de saber alguma coisa dos elementos que a compõem, bem como alguma ideia do que possam saber sobre o assunto. O material de apoio que reunir deve ser convincente, recente e totalmente claro para os seus ouvintes. Isto é, eles devem saber onde encontrou os seus dados e as razões de os considerar credíveis.

8 - Estruture o discurso nas suas partes mais importantes -
pense na introdução, desenvolvimento e conclusão. Saber o que planeia dizer, e a ordem pela qual o vai fazer, irá ajudá-lo enquanto esboça o esquema de apresentação. Pense, por último, na introdução e na conclusão, apesar de poderem ser as partes mais memoráveis da sua apresentação. (se necessitar de ajuda, contacte-me por email)

9 - Faça um esquema do discurso - as suas observações estruturadas numa página serão de grande utilidade quando começar a sua apresentação. Pense nos assuntos que vai abordar, na sequência em que os vais abordar e nas provas que vai colocar ao dispor da sua audiência para apoiar essas ideias. Assim que souber como iniciar o discurso, os pontos importantes a abordar e de que forma deve concluir as suas observações, estará pronto para escrever.

O grande segredo das apresentações de sucesso: PREPARAÇÃO


Parte I do artigo

Parte II do artigo

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Os Segredos de uma apresentação de sucesso - Parte II

2 - Analise a dua audiência - é deles que se trata. Eles são a razão de estar ali, eles são a razão de ter preparado a apresentação. Tente saber o mais possivel sobre eles. Conhecer a sua audiência não é uma garantia de sucesso, mas é, claramente, um passo nessa direcção.

3 - Estabeleça o seu objectivo - saiba a razão de estar a falar. Se não tiver a certeza disso, não deve fazer uma apresentação. Perceber o seu papel na empresa e nas vidas dos seus ouvintes é particularmente importante. Em alguns momentos, a sua audiência pode querer saber e estar genuinamente interessada nas suas opiniões sobre o assunto em questão. Noutros momentos, o seu objectivo pode ser puramente informativo e a exigência da sua opinião pode não ser tão necessária quanto imagina.

4 - Aprenda o que puder sobre o momento - a sua audiência ainda está na fase de recolha de dados ou já está pronta para tomar uma decisão? Qual é a razão de o estarem a ouvir? Qual a urgência do assunto sobre o qual vai falar? Os seus ouvintes estão no inicio ou no final de um processo que lhes vai exigir algum tipo de acção? Quanto mais souber sobre o contexto no qual a apresentação irá ter lugar, maior será a sua capacidade de ajudar a audiência.

5 - Apresente uma frase de referência - é uma declaração composta por uma frase sobre o que pretende que a audiência saiba, compreenda, acredite ou faça. Deve ser breve, simples e tão completa quanto possível. Por exemplo: "A empresa defende que o carpooling irá originar vantagens económicas, operacionais e ambientais para a empresa". Esta é uma frase directa e convincente, e apresenta um resumo da sua abordagem ao assunto.

Continua...

Para ver a 1ª parte do artigo

Managed Services - Como aumentar a eficiência e garantir a inovação tecnológica?

Detalhes do Evento
Este evento pretende esclarecer os decisores empresariais e da área de TIC sobre os recentes desenvolvimentos ao nível das soluções de Managed Services, com foco nas comunicações convergentes, parque de hardware e no outsourcing de redes e de aplicações.

Centro Cultural de Belém, Lisboa
11 de Novembro de 2010
 
Mais informações: http://www.idc.pt/events/eventos_2010-11-11.jsp

Gerindo-se a si próprio

Os trabalhadores do conhecimento vão, provavelmente, durar mais do que a vida média das próprias organizações onde vão trabalhar (a esperança de vida de uma empresa de sucesso é de cerca de trinta anos). Vão ter de trabalhar, ainda que a tempo parcial, até cerca dos 75 ou mais anos. Por outras palavras, a vida média de trabalho vai ser de uns 50 anos ou mais. Sendo assim, cada um de nós vai ter de estar preparado para mais do que um emprego, mais do que uma profissão, mais do que uma carreira! Vai ter de ser o CEO* de si próprio!

O “trabalhador do conhecimento”, portanto, é sobretudo alguém que incorporou ao seu modelo mental e às suas actividades uma postura mais pró-activa. É aquele também que, tendo em vista a complexidade do mundo em que vive, sabe que ninguém mais detém, sozinho, o conhecimento necessário para que as coisas aconteçam. Portanto, a sua auto-imagem é a de alguém que faz a diferença.

Agora, o talento de uma pessoa não se mede só pelo que ela sabe fazer, mas pelo que pode vir a realizar na empresa, desde que lhe sejam dadas condições para isso. Os conhecimentos devem ser complementados com competências como “paixão, habilidade para o negócio, dedicação ao trabalho, inovação, adaptação a mudanças, ambição, postura, capacidade de aprendizagem e desenvolvimento, empatia, flexibilidade, disponibilidade, criatividade, habilitações, intuição, know-how, domínio de línguas variadas, mobilidade, marketing, networking, persistência, optimismo, comunicação, versatilidade, entre muitas outras...

*CEO - Chief Executive Officer (Director executivo ou director geral).

fontes: mktvendas, adeus teorias gestao, ido.pt

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Aniversário

Pois é, hoje fico oficialmente mais velho... (mas só no bilhete de identidade) :)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

WebCast Mais PHC - Certificação de Software

10 e 11 de Novembro de 2010

Uma das vantagens do WebCast é a versatilidade do conhecimento, possibilitando o desenvolvimento de competências de cada organização e, em particular, dos utilizadores PHC.

O que é?
Os WebCast Mais PHC - Certificação de Software, são sessões de esclarecimento online sobre este tema preparadas pelos formadores da PHC especialmente para si.

Como funciona?
Ao inscrever-se numa sessão de esclarecimento online com a duração de 60min. sobre a certificação de software, por apenas 20€ (acresce IVA à taxa legal), esclarece as suas questões e ainda usufrui de documentação sobre o tema.

Para mais informações ->

Social Media Marketing - Avançado

Público-Alvo

O curso de Social Media Marketing - Avançado destina-se a profissionais que exerçam funções de marketing, que tenham já conhecimento operacional das Redes Sociais e pretendam obter conhecimentos sobre a abordagem estratégica ao canal.

Objectivos

Aprofundar aspectos estratégicos do Social Media Marketing, dotando os formandos de conhecimentos sobre como rentabilizar as redes sociais em proveito do seu negócio.

Para mais informações ->

Networking in facebook

If you imagine a map representing all of your relationships and then expand it to include the external relationships of each of those contacts, you get an idea of the concept behind a social network such as Facebook. When you connect whith folks through the Facebook confirmation process, it´s as though you´re inviting them into your circle.

Whether you´re representing yourself, a business, a nonprofit organization, a polka band, or a political cause, in Facebook, just like in the real world, your ability to form strong relationships and influence your fans determines your ultimate success or failure in achieving your objectives (that is, getting what you want).

Mktvendas.blogspot.com - Facebook

Os segredos de uma apresentação de sucesso

O segredo para criar uma apresentação profissional de sucesso é a preparação. Apesar de o processo poder parecer assustador no início, envolve apenas 12 passos e alguma determinação. Vamos então ao passos necessários a efectuar.

1 - Escolha um tópico - Apesar de marcar pontos pelo estilo de uma apresentação empresarial, o conteúdo é fundamental. A matéria importa e não existe nada que possa substituir os seus conhecimentos sobre o que vai falar.

Isto significa que deve tentar, tanto quanto lhe seja possível, escolher um tópico que lhe seja familiar, de forma a poder falar com autoridade e clareza sobre assuntos que conhece.

Não perca os próximos passos a publicar.

Nota: Se tem a necessidade de aprofundar os seus conhecimentos sobre as apresentações de sucesso, adquira este excelente livro, clique aqui. (fonte utilizada no blog)

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Conferência - Tendências e Gestão da Inovação - Uma visão prospectiva do futuro

“Tendências e Gestão da Inovação - Uma visão prospectiva do futuro”

Realiza-se no dia 17 de Novembro, entre as 15 e as 18 horas, no Teatro-Estúdio Mário Viegas, a Conferência “Tendências e Gestão da Inovação – Uma visão prospectiva do futuro”, organizada pela Companhia Teatral do Chiado (CTC).

A formação, ministrada por Luís Rasquilha, figura destacada na docência e investigação para a área do marketing empresarial, abordará temas bastante discutidos nos nossos dias, nomeadamente a Inovação e Competências em RH, os New Media, as Redes Sociais e Trends em Branding.

As inscrições já se encontram abertas, através do site da Companhia em http://www.companhiateatraldochiado.pt/

Esta conferência, concebida pela CTC, insere-se na sua aposta em incrementar novos serviços direccionados para as empresas, nomeadamente o desenvolvimento de acções de formação para gestores.