terça-feira, 29 de abril de 2014

Vender Mais é Fácil - Os departamentos de Vendas e Marketing fizeram as pazes


Alinhar o departamento de vendas e o do marketing é um desafio de longa data (disse desafio para não dizer batalha). Mas esta tarefa nos dias de hoje é fundamental numa empresa que esteja activa no mercado.

É de conhecimento geral que a tecnologia mudou o que os compradores esperam dos vendedores. 

Em resposta, as empresas estão a redefinir/reestruturar a melhor forma de vender e comercializar, alinham as responsabilidades entre departamentos de vendas e marketing e implementam novas abordagens em colaboração entre todos os departamentos para reagir rapidamente aos mercados em rápida e constante mudança.

Líderes de vendas devem garantir que as suas equipas recebem apoio de qualidade a partir do departamento de marketing, muitas vezes na forma de conteúdo, garantias, leads e “inteligência”. 

Ele também deve certificar-se que o seu departamento comunica importantes “insights” dos clientes ao departamento de marketing, criando um feedback que vai influenciar os investimentos de marketing para um melhor suporte de vendas produtivo.

P.s - Marque já para amanhã a reunião entre os responsáveis dos dois departamentos.


Organizem-se e juntos sejam mais produtivos….


segunda-feira, 28 de abril de 2014

Como Vender Mais - Não vende nada ou quase nada pela internet?


Paulo, o blog ou site e a presença nas redes sociais que o "meu amigo" a "minha sobrinha" ou "o filho de aquele" me fez, dá retorno 0 (zero). Porquê? Eu vejo lá concorrentes com "actividade", desde potenciais clientes a solicitarem orçamentos, entre outros. Porque isso não me acontece?!?

Resposta óbvia
Se necessitares de um canalizador, chamas um canalizador?
Se necessitares de um mecânico, chamas um mecânico?
Então...Porque razão não chamas que sabe e tem experiência própria e comprovada no lançamento e gestão de marcas online? Não é o "filho do amigo" que começou a frequentar uma formação de algumas horas em programação, design, por vezes até de iniciação à informática que te vai lançar e gerir uma marca online e/ou offline.

O branding é muito complexo e carece de profissionais com muitas e sólidas valências, entre muitos outros factores. Porque não contactas empresas ou profissionais que entendem as tuas necessidades e são capazes de te oferecer soluções que funcionam. Não só utilizam os mais recentes produtos e serviços, como tem a experiência de trabalhar com grandes marcas em diversos ramos de actividade e colocam em acção a construção, desenvolvimento, implementação e gestão diária/semanal de programas muito interessantes e que melhoram o desempenho da marca, e em muitas vezes a preços que surpreendem.

Mas o meu orçamento é muito baixo
Existem muitos profissionais que desenvolvem os projectos em part-time.

Conclusão
Se antes se pensava "tenho lá qualquer coisa na net, tenho", nos dias de hoje é obrigatório "Tenho de liderar na net". Lembrem-se que o seu negócio pode ser ameaçado por qualquer empresa do mundo. Eu pessoalmente já adquiri um produto directamente no site de uma empresa do Reino Unido por menos 35% em relação ao melhor preço que encontrei em Portugal (na internet e directamente em lojas fisicas).

Eu posso ter uma empresa em qualquer ponto do globo e se por exemplo estiver na Europa entre 48 a 72 horas coloco o produto na casa do cliente. Apostem na Internet, porque desde a alimentação, informática, bebidas, peças para automóveis, etc. será banal a compra pela internet.

Reflectir
Já pensou que a sua loja por exemplo pode entregar os produtos em 48 horas em qualquer ponto de Portugal? Consegue imaginar o estupendo número de potenciais clientes? Mas, bolas...Quando procuro o que comercializo nem me encontro no google, o que diz o "filho do amigo"? "...pois...tem de gastar dinheiro em publicidade..." O que lhe diz e faz o profissional? "...O seu investimento não será em publicidade, mas sim no meu trabalho de fundo, que ao contrário da publicidade, que só lhe dá uma visibilidade momentânea, a visibilidade do meu trabalho será prolongada pelo tempo".

Fazer e gerir as marcas online (e offline) é para um mercado global e exige um profissional com conhecimentos globais.

By ProBlogger Paulo Gomes

Ajuda sobre esta ou outras matérias, diga...Não se esqueça de comentar...

Artigos Relacionados

Branding: a Nova Face do Marketing





Uma publicação garantida para aumentar a sua audiência nas redes sociais


Tem vontade de oferecer aos seus leitores artigos atraentes e interessantes? Deseja ter conselhos para puder redigir publicações estupendas? Então leia este artigo agora.

Nestes últimos anos, o marketing de conteúdo tomou um lugar bastante grande nas estratégias de web das empresas por causa do apetite cada vez maior do Google por conteúdo excelente. Aliás, desde à algum tempo para cá, actualizar um blogue tornou-se a norma para numerosas empresas que desejam melhorar a sua visibilidade na internet.

Se as empresas actualizam regularmente os seus blogues, é evidente que é para o fim de SEO (SEarch Engine Optimization) mas também na esperança de melhorar a sua autoridade na sua área de actividade, ganhar tráfego de cauda longa, de criar um compromisso com os consumidores ou ainda de converter com estes.

As estratégias a pôr em prática para criar um blogue atractivo e interessante são numerosas, e para o ajudar a ver as coisas de forma mais clara, encontrámos uma infografia bastante simpática criada pela Who is Hosting This intitulada « Secrets of a Killer Blog Post : Getting Your Readers’ Attention ».
Esta infografia põe em evidência numerosos pontos a ter em conta para que o leitor seja cativado pelo seu artigo e para lhe dar vontade de voltar ao seu blogue. De entre estes elementos a ter em conta, apontamos:
  • O título da publicação (atenção, a infografia menciona um numero de 70 caracteres mas a tag Title do Google diminuiu à poucas semanas, para mais informação consultem o Polynet);
  • O tipo de título (tem que ser criativo e dar vontade de ler);
  • As formas de captar a atenção dos leitores (contar uma história, falar em casos de estudos, etc.);
  • Fazer uma introdução sensacional;
  • Etc.
Este artigo não foi escrito por mim. Versão original e mais informação em: expeteo.pt



2 verdades para reflectir esta semana

O seu blog ou site da empresa não consegue aparecer em resultados orgânicos na primeira página do google? Sabe que pouco ou nada é visto...Precisa de alguém que desenvolva essa tarefa? 



Acontece na sua empresa? Correm, correm, mas de forma complicada e por vezes sem saber para onde vão? Simplifique, optimize e obtenha o desejado.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Fazer com que os clientes gostem e confiem em si


Quando conhece pessoas, o seu principal objectivo deve ser ajudá-las a estarem à vontade consigo. Ninguém se envolve num processo de decisões se estiver tenso. Você quer que os potenciais clientes gostem de si e confiem em si porque, se isso não acontecer, eles não farão negócio consigo. Lembre-se sempre de que o seu objectivo é: Ser uma pessoa de quem os outros gostam, em quem confiam e que estejam dispostos a ouvir.

Então, o que pode fazer para os potenciais clientes gostarem e confiarem sem si?

Muito importante os 10 segundos iniciais depois de se conhecerem são fundamentais e avance firmemente (porque não existe a repetição da 1ª impressão). Estudos sobre a confiança, revelam que 75% dos compradores ficam com uma impressão imediata (certa ou errada) só de verem o vendedor a caminhar.

Solicitar recomendações de clientes existentes
Por norma, os seres humanos tendem a confiar mais facilmente em alguém que tenham algo em comum. Não é à toa que as redes sociais costumam ser uma plataforma interessante para vendas, pois se o seu amigo lhe disser que um produto é bom, a sua confiança nesse produto aumenta consideravelmente.

Ouvir, ouvir e voltar a ouvir
Sabemos que a desconfiança anda de mãos dadas com os potenciais clientes, uma boa forma de obter uma inicialização ao processo de confiança, é encontrar um ponto em comum com o potencial comprador, para isso oiça muito e bem. Existem frases, palavras que nos ajudam muito e passam despercebidas, porque os vendedores estão a ouvir, mas não filtram a informação, pois na sua cabeça já está a pensar no que vai dizer a seguir.

Vender não tem guião (já nem nos call-centers seguem os guiões à risca), a preparação é fundamental e apesar de ser o vendedor que deve tomar "as rédeas" da negociação, deve ter a habilidade para responder a qualquer pergunta em qualquer fase da negociação - Aumento da confiança em si - 

Graxa é para os sapatos
Se antes se bajulava e elogiava-se de todas as maneiras o potencial cliente, nos dias de hoje as pessoas gostam de estar à mesa da negociação com alguém profissional, ético, com grande empatia e simpático, mas atenção - Simpático e bajulador (graxista), são separados por uma linha muito estreita - 

Elogie com peso e medida e com muito bom senso.

Falar de produtos ou serviços concorrentes
Diga sempre a verdade se a concorrência trabalhar bem e diga mesmo "são bons produtos", de seguida claro joga com os seus argumentos.
Se os produtos ou serviços da concorrência forem maus, não o diga (provavelmente o potencial comprador sabe), apenas "pegue de estaca" nas mais valias do que está a vender - Aumenta a confiança, respeitando a concorrência e/ou os produtos que o comprador usa.

Se um potencial comprador gasta produtos da concorrência e quer saber mais sobre os seus, é porque não está satisfeito, mas não estrague o potencial negócio criticando os produtos e serviços que o potencial cliente adquiriu (está a lhe passar um atestado de incompetência porque não soube escolher na altura - é isto que o comprador vai sentir - )

Agora goste e confie em si, porque este é o 1º passo para os clientes gostarem e confiarem em si...

Concordam?
by Paulo Gomes - Pro Blogger


terça-feira, 22 de abril de 2014

Frases de Liderança - Motive-se









segunda-feira, 21 de abril de 2014

Na sua empresa existe formação interna?



Na sua empresa á quanto tempo não existe formação interna sobre os produtos e/ou serviços?

É com muito espanto que converso (pessoalmente e na web) com pessoas que trabalham em pequenas e grandes organizações e que me confidenciam que raramente e na maioria das vezes só têm formação interna sobre os produtos e/ou serviços na altura que são contratados, depois desta fase vão sendo informados apenas das novidades.

Muitos gestores de produto, não fazem reciclagens internas ás outras equipas, além de servir para fazer um refresh de conhecimentos, é uma excelente oportunidade para saber eventuais dificuldades do produto e/ou serviço em conquistar mercado, saber da “boca” de quem tem contacto directo com os consumidores, as eventuais falhas, o que está bem e o que está mal.

Será que os comerciais estão a passar a mensagem correcta sobre esse produto e/ou serviço aos consumidores? Não são e-mails esporádicos de feedback, uma conversa no coffe-breack ou no mensageiro que irá permitir corrigir eventuais falhas de formação/informação. Embora seja importante ter este feedback ao longo do tempo, é necessário juntar as equipas, dar formação interna, nem que seja um leve refresh, promover brainstormings sobre o que se pode melhorar.

Comece de imediato a fazer formações internas de forma regular, tenho a certeza de que nunca ouviu um colega de trabalho a se queixar de ter muita informação sobre os produtos e/ou serviços, correcto?

E, por favor, quando fizer formações internas, os departamentos que estão directamente envolvidos, têm de estar obrigatoriamente todos presentes, todos os elementos, mas, envie um e-mail a toda a empresa a informar das horas e o que irá ser feito nessa formação e incentive os outros departamentos a participar por livre vontade. Todos os colaboradores da empresa gostam de estar ao corrente do que se está a fazer, se as vendas estão a correr bem, qual o caminho que se está a seguir, etc., em suma, participar na vida da empresa.

Eu das melhores ideias comerciais que ouvi até hoje (e foi implementada com grande sucesso comercial), veio de um analista de sistemas (programador) e a principal razão é que esse meu colega dado as funções que desempenha, consegue fazer uma descentralização e colocar-se na “pele” do consumidor. Não venda como você gosta, venda como os potenciais clientes gostam (lição comercial básica, dada a muitos comerciais por um programador).

Se é já um procedimento habitual na sua empresa a formação interna, parabéns. Se não é, torne procedimento, todos os seus colegas irão gostar desta medida. Se você não tem “poder” para isso, dê a ideia ás suas chefias, não tenha receio.

Não se esqueça de comentar este artigo e até amanhã. Tenha um bom dia de trabalho e aproveite para se formar internamente.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Conseguir mais vendas na Internet



1. Ganhar contactos de qualidade 
Estando visível em numerosas palavras chave, pode aumentar o tráfego qualificado com destino o seu site. E quem diz aumento do tráfego alvo, diz aumentar os contactos, orçamentos e vendas. 
A Lembrar: 40% das visitas de sites de internet provêem dos motores de busca (e portanto, do Google).

2. Desenvolver a sua notoriedade junto de um público alvo 
Em vez de ser visto por 30.000 pessoas que não estão interessadas nos seus produtos, esteja visível junto de 5000 consumidores alvo. 
A Lembrar: 100 milhares de pesquisas são feitas a cada mês no Google e 80% das empresas usam a internet para encontrar os fornecedores e os produtos que precisam. 

3. Gerar tráfego no seu site de internet 
Devido ao referenciamento natural, o tráfego do site aumentará rapidamente, o que provoca um aumento rápido de potenciais contactos. 
A Lembrar: Estudos demonstram que 68% dos utilizadores de internet clicam num dos três primeiros resultados de pesquisa do Google. 

4. Obter um ROI (Return of Investment) incomparável. 
O referenciamento natural é certamente o meio mais eficaz e mais barato para encontrar o seu público alvo. Contrariamente a um anúncio na imprensa que já foi visto por milhares de pessoas desinteressadas, o referenciamento natural irá atingir principalmente os seus potenciais clientes. 
A Lembrar: Após algumas semanas de referenciamento, os projectos vêem o número dos seus contactos e das suas vendas pelo site de internet aumentar! 

5. Ganhar a confiança dos utilizadores de internet 
Quando uma empresa se posiciona naturalmente nos primeiros resultados do Google, significa que o motor de busca o escolheu de entre os outros todos por causa da sua pertinência. Esse posicionamento dá confiança aos utilizadores. 
A Lembrar: 77% dos utilizadores de internet preferem clicar num link natural em vez de o fazer num link pago quando efectuam uma pesquisa.

Exemplo real: Ao desenvolver artigos originais, ter trabalhado as palavras chave, meta-tags, entre muitas outras "tasks" (inclusive horas e horas dedicadas ao projecto), num curto prazo de tempo consegui que um blog de uma garrafeira em Portugal se torna-se numa referência (é o blog pertencente a uma garrafeira mais visitado em Portugal (estadoliquido-garrafeira.blogspot.pt).

expeteo.pt

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Vencer em tempo de CAOS


Sinopse
Conveniente e prático Vencer em tempo de caos é um guia indispensável para todas as empresas que sobrevivem às tempestades económicas de hoje e querem prosperar na inevitável turbulência do futuro. Estamos numa era inteiramente nova, com períodos cada vez mais frequentes de turbulência económica. Inversamente às recessões do passado, as crises de hoje exigem que as empresas desenvolvam uma nova mentalidade, desperta para os períodos de perturbação, e lhes permita prosperar enquanto se encontram sob a ameaça constante do caos. Neste livro, o autor best seller, Philip Kotler e John Caslione defendem que vivemos numa época de contínua turbulência que requer uma nova estratégia, apresentando como solução um revolucionário conjunto de orientações destinado a ajudar as empresas.
Em Vencer em tempo de caos encontrará um inovador sistema de gestão que ajuda a minimizar a vulnerabilidade das empresas e a aproveitar as oportunidades, colocando-as à frente dos seus concorrentes. Contrariamente à sua concorrência que permanece presa às mesmas tácticas de sempre: os grandes descontos no preço, os cortes nos investimentos em marketing, no branding e desenvolvimento de novos produtos, terá de desenvolver uma atitude disruptiva. O sistema apresentando irá ajudá-lo a repensar integralmente o modo como gere durante uma recessão e outras situações de turbulência, incluindo como:
- Desenvolver sistemas de alerta para a identificação dos primeiros sinais de perturbação.
- Antever os piores, os melhores, e os mais esperados cenários, utilizando as estratégias adequadas para lidar eficazmente com cada um deles.
- Reduzir os custos ou aumentar estrategicamente a eficiência em departamentos específicos: financeiro, tecnologia da informação, produção, compras, e recursos humanos.
- Garantir a sua quota de mercado no segmento do núcleo de clientes.
- Comprimir o planeamento estratégico em ciclos de três meses, para ter maior controlo sobre a empresa.
- Evitar as consequências potencialmente catastróficas de abandonar princípios essenciais.
Com muitos exemplos de empresas que foram capazes de resistir com sucesso à turbulência, bem como casos que foram à falência por não se encontrarem preparados para enfrentar o caos, este livro oferece-lhe ensinamentos e estratégias práticas. Este texto vai apoiá-lo não só a sobreviver à actual crise económica, mas também a prosperar no meio dos insucessos que possam surgir no futuro.
Fonte: WOOK

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Dicas Grátis para Vender Mais - Quando o Vendedor se Acha Dono da Razão


Antes de fazer uma pergunta, lembre-se sempre: Para vender ou persuadir, tem de fazer com que a outra pessoa se sinta importante.

O potencial cliente tem sempre de se sentir  inteligente, certo? Então, nunca faça uma pergunta a que ele não saiba responder. Como exemplo:

Se perguntar a alguém se sabe quanto custa cada fotocópia que tira na empresa e o potencial cliente não souber, ele vai ficar embaraçado. Evite esta situação a todo o custo. Se não tiver mencionado o assunto sobre o custo das cópias efectuadas na empresa, deve perguntar se dispõe de informações sobre as fotocopiadoras existentes na empresa. Será provável que sim. Se lhe disser especificamente quais as informação que precisa, ele pode as dar, mas se presumir que o potencial cliente as sabe e ele não souber, vai acabar numa situação desconfortável, e será provável que outro vendedor mais sensível e capaz de fazer o potencial cliente se sentir importante, fique com essa venda.

Seja sensível e por vezes, é preferível passar por "menos conhecedor" e ganhar o negócio do que "por chico-esperto que sabe tudo", mas não faz negócios...

Concorda?

terça-feira, 1 de abril de 2014

Dicas grátis para vender mais - O que nunca pensou...


Pegue no jornal da sua zona de residência e leia todas as noticias. Assinale as que têm histórias locais que envolvam potenciais clientes. Depois faça o que faz qualquer vendedor de sucesso que procura sempre mais e contacte essas pessoas. Recorte ou digitalize esse artigo e envie uma carta ou email muito sucinto "vi uma noticia sobre si (ou sobre a empresa) e como trabalho nesta área, espero um dia o conhecer pessoalmente. Pensei que talvez gostasse de ter uma cópia extra do artigo, para poder partilhar com os seus colaboradores, clientes ou fornecedores". 

Nunca se esqueça de incluir o seu cartão de visita. As pessoas adoram saber que apareceram nas noticias e poder partilhar ao máximo essa informação. Ao fornecer este pequeno serviço de forma descontraída, pode vir a ganhar muitos negócios.

Ainda está a ler este artigo? Vá já procurar as noticias que o ajudem a vender mais...

Gestão de Empresas - Aprenda a Entrevistar em 5 minutos


É difícil encontrar bons funcionários. Se é gestor e já colocou um anuncio num jornal e/ou na internet, sabe que os bons funcionários não se encontram facilmente. Provavelmente já recebeu 100 ou 200 curriculos em resposta a um anúncio e pensou de imediato "heiii, isto é que são interessados em trabalhar na minha empresa". Alegria de curta duração, certo?

Começa a analisar as respostas e o que mais diz a si próprio? "...o que levou esta pessoa a se candidatar?"..."O quê, pedi o mínimo de 10 anos de experiência e responde-me a dizer que nunca trabalhou nesta função?"..."Esta resposta é brincadeira, só pode...", entre outros pensamentos.

Mas, depois de escolher os candidatos e marcar a entrevista, vem a parte mais complicada. No momento de entrevistar os candidatos, sente-se à vontade e sabe o que deve fazer? 

Vejamos então 5 simples passos para entrevistar melhor (candidatos aproveitem para se preparar com as respostas ;)

1. Boas vindas
Receba os candidatos calorosamente e converse informalmente com eles para os ajudar a descontrair. Perguntas sobre o tempo, se tiveram dificuldades em chegar ao escritório, ou de como souberam da vaga de emprego, são sobejamente conhecidas e funcionam ainda muito bem.

2. Resumir a função
Com poucas palavras e de forma bem clara, descreva a função em si, o tipo de pessoa que procura e o processo de entrevista que irá utilizar.

3. Faça as perguntas e oiça muito bem
Perguntas relevantes para o cargo que devem abranger a experiência do candidato, a formação e o que tiver relacionado com o cargo. Investigue se é o candidato que procura e não monopolize a entrevista a tentar vender o cargo em si (acontece mais do que se pensa).

4. Pontes fortes e fracos
Sim, utiliza-se desde sempre e recomenda-se. Irá ajudar a prever o comportamento futuro, saber o que fizeram e como fizeram noutras empresas. Peça para enumerarem estes pontos e as respostas podem ser muito reveladoras. Peça exemplos que sustentem os pontos fortes e pontos fracos (atenção à linguagem corporal e tempo de resposta, se alguém diz que é polivalente e depois não consegue lembrar-se de um exemplo que sustente o que afirmou, é "estranho", certo?).

5. Conclusão da entrevista
Dê sempre a possibilidade de o candidato acrescentar alguma informação que o mesmo considere ser relevante e necessária para a tomada de decisão. Permita igualmente que o candidato faça algumas perguntas sobre a empresa (se este não as fizer, incentive de forma dissimulada a perguntar...se o trabalho de casa foi feito o candidato viu o site da empresa, página do Facebook, noticias, tudo e mais alguma coisa sobre a empresa, se não o fez, vai demonstrar uma grande falta de conhecimento da empresa para a qual quer trabalhar...Não demonstra responsabilidade, interesse (nem inteligência)...nada preciso de escrever, certo?)
Agradeça sempre o interesse de terem-se disponibilizado para a entrevista e diga-lhes quando irão ter uma resposta por parte da empresa (respondam sempre, seja positivo ou negativo, mas sobre este tema, irei escrever outro artigo).


Artigos Relacionados:

Competências essenciais para ser vendedor